Licor de Marmelos



Sinto-me assim…

 

Metida na prateleira a espera de estar “no ponto”, deram-me aguardente para me embebedar…açúcar para eu adoçar, e umas cascas de marmelos que me  atribui um sabor e um cheiro a algo de bom, sensação que me faz lembrar e suspirar pela vida lá fora…

 Mas eu estou aqui…sinto-me bem apesar de estar farta de esperar, penso que não sou má ao paladar (axo que não…rs!), mas deixam-me pousada na prateleira, nem me tocam…esperam que eu assente e que fique madura.

Mas, eu não quero, eu quero viver já…gozar a vida, brincar, rir e sair…rir mais. Não me estou a fazer entender? Porquê? Se tento milésimas maneiras dizer o que quero…pk não sou atendida? ( falo chinês, ou a rolha da garrafa impede que me ouçam gritar?)

 Allô….

Allôooooooooo….

Estou aqui… vêm-me?

Não…

 Agora estou refastelada na minha prateleira, com o peso do medo e do receio, qual será a mão que me irá agarrar? (importa, claro que isso tb importa).

Sei que o confronto irá gerar uma ressaca, seguido de uma sensação de alivio, espreito pela janela a luz da noite à espera de um novo dia, ele que venha.

Sinto-me como uma criança no primeiro dia de escola, exposta, desprotegida e estranhamente descontente… metida dentro de uma garrafa com um trago a uma “esperança precoce e intranquila”. Sinto-me num eterno efémero, fecho os olhos e sinto-me a deambular por caminhos imaginados, a vida obriga-nos a crescer sem pedir licença, e que remédio tenho eu…estou aqui parada a amadurecer.

Mais uma etapa nesta vida…hei-de conseguir.

 

(não me apetece escrever mais)

 

Beijinhos…entendam ou não. É como me sinto.

 

Hera.

 



8 pensamentos sobre “Licor de Marmelos

  1. A admiração… ainda sinto a vista húmida do brilho nos olhos… a tentação de provar… o desejo de ficar com aquele doce sabor para sempre… o receio da rejeição… a hesitação…o respeito pela preservação… a certeza de gostar mas o medo de não conseguir parar até à embriaguez total… Como é possível que algo tão espontâneo, tão belo e tão natural me faça tanta sede e em simultâneo me faça vacilar? Ninguém me ajuda? Olho para o lado e tento esquecer mas não consigo… sinto-me fraco, sei que preciso desesperadamente de degustar, como se dum remédio para a minha cura se trate… fecho os olhos e sonho, mas acordo de novo com a boca seca… será que estou perdido no meio do oceano? Alguém me vê? Prucuro aquela garrafa mágica com ou sem mensagem… Alguém tem uma bússola ou… um licor milagroso?
     
    J S
     
     

  2. Allô… uff ainda bem que sou alto e vejo bem ao longe rs… chega pra lá e dá-me um golinho… hum, que delícia!… parece a poção mágica que mantém os sorrisos J …agora sei que posso navegar mais um pouco… obrigado por tudo e até sempre.
    Jinhoca e abração
    J S

  3. Nunca mais a vi escrever nada. Será bom ou mau sinal? Será que não sente necessidade de escrever? Será que arranjou um confidente? Tantos serás. Será que está apaixonada? Pu será que só escreve quando se apaixona? Ohh dúvidas que atormentam os espiritos básicos como o meu.
     
    De um admirador secreto (mais um)

  4. Vou de certa forma "invadir" o espaço das tuas palavras. Resolvi sentar-me numa cadeira e esperar. Esperar não sei bem o quê, mas que espero que a espera permita alcançar. Provavelmente vou arranjar um problema de circulação vulgarmente chamado de cu dormente, mas mesmo assim apetece-me esperar. Há coisas por que vale a pena esperar mesmo q a espera por vezes desespere. Costuma-se dizer que a esperança é a ultima a morrer. Enquanto essa esperança for viva, vou esperar. Com a paciência que a esperança nos dá. A paciência é uma virtude dizia o Confúcio ou outro gajo qualquer oriental (sim que paciência é coisa que não falta aos orientais). Claro que o Confúcio provavelmente nunca esperou por nada, mas tinha umas tiradas com piada. Eu por minha vez, que por acaso até não tenho a paciência como uma das minhas virtudes, coloquei os dedos na parte lateral dos olhos e puxei para ficar com os olhos em bico. Claro que ainda fiquei com uma cara mais parva que o habitual. Mas mesmo assim, enchi-me de orientalidade (só me falta mesmo ir tocar cavaquinho para a Gare do Oriente) e resolvi esperar. Quem sabe se aquelas pérolas da sabedoria popular que se chamam provérbios não poderão, uma vez que seja (ai q optimista), estarem certos. E que quem espera sempre alcança possa ser verdade.
     
    De um admirador secreto (mais um, mais um)

  5. Por vezes as prateleiras da vida são como os expositores, ou temos uma boa montra ou ficamos no fundo da prateleira á espera que alguèm nos pegue, isso poderá ser porque a ultima vez que a rolha foi destapada, ficaram restos de rolha no "licor", filtra esses restos, limpa o licor e vais ver que a tua montra fica linda, e alguem leva o teu "licor".Mas atenção quem levar tem de ser a garrafa toda, que não seja só para dar um tragozito.

  6. Olá linda
     
    Sou eu a Fidalguinha, Fidalguinha eu, neste momento sinto-me como diz o teu texto "…. estou na parteleira…..
    Entendo tu o que escreves.. eu tb quero gozar, quero rir, quero brincar … mas me ouvem…
    estou no trabalho sentado e nada faz sentido, sinto-me perdida olhando a minha volta imaginando algo melhor, que melhor????
    Beijos Herita e sé feliz!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s